Menu

Rádio Cultura Comunitária FM
104.9Mhz
A nossa voz faz a diferença.

Tidos como extintos, índios charrua sobreviveram 'invisíveis' por décadas e hoje lutam por melhores condições de vida

13 NOV 2018
13 de Novembro de 2018
O primeiro desafio foi provar que ainda existiam. Por décadas, a história ensinou que os índios charrua foram traídos e massacrados por colonizadores europeus após anos de perseguição. Mostrar que a trajetória do grupo não acabou ali se tornou a grande luta de Acuab, primeira mulher cacica-geral do povo charrua no Rio Grande do Sul e a principal liderança da aldeia Polidoro, em Porto Alegre.

A história da etnia tinha um final conhecido: o confronto de Salsipuedes, em 1831. O embate acabou se tornando um massacre oficial (planejado pelo governo uruguaio) e desleal. Caciques foram convidados a discutir uma aliança contra o Brasil, mas, desarmados, acabaram mortos, presos ou obrigados a trabalharem para estancieiros. Até mães foram separadas de seus filhos. A herança cultural charrua, principalmente a língua, acabou se perdendo ao longo do tempo.

- Ato de vandalismo destrói gravuras históricas sobre mito indígena em caverna do Xingu.
- As freiras que, em vez de catequizar, defenderam cultura indígena e viram povo 'renascer'.

Mas essa narrativa também tem um recomeço, ainda que tortuoso e incógnito. A trajetória descrita e reunida por Acuab mostra que parte da etnia conseguiu cruzar a fronteira com o Brasil e se instalar na região das Missões, no noroeste gaúcho. A invisibilidade social viria a se tornar a principal estratégia de sobrevivência.

A reconstrução oficial da história dos charrua começou em 2007. Na genealogia do grupo, a que a reportagem teve acesso, o arqueólogo Sérgio Leite relata a surpresa que teve ao ser apresentado por Acuab a um conjunto de peças (três pedaços de rocha e duas boleadeiras) que só poderia pertencer aos charrua. O laudo dele abriu caminho para o reconhecimento do grupo pela Fundação Nacional do Índio (Funai).

"Eu só conhecia aquele tipo de material ao analisar evidências escavadas ou presentes em acervos de museus. Segundo o que comumente se afirma, no Rio Grande do Sul temos descendentes de guarani e de caincang. Ora, ao identificar-se como um novo grupo, ficou claro para mim que algumas 'verdades' já bem estabelecidas estavam balançando", registrou Leite.

Voltar
Tenha também o seu site. É grátis!